Imprimir Resumo


Simpósio Mundial de Estudos de Língua Portuguesa
Resumo


As diversas formas do pronome interrogativo que: (O) que ((ť) (que)) se deve ensinar ao aprendiz de portuguÍs PL2/E?

Autores:
Ebal Santanna Bolacio Filho (UERJ - Universidade do Estado do Rio de Janeiro)

Resumo:

A presente comunicação  apresenta os resultados de um trabalho de mestrado efetuado na PUC-Rio cujo tema era o pronome interrogativo que no português falado no Brasil atualmente.

Diversos estudiosos já haviam detectado anteriormente sete diferentes formas de estruturas interrogativas para esse pronome interrogativo no português brasileiro (Kato 1998; Lopes Rossi 1993; Duarte 1992; Kato & Mioto 2005): que, o que, o que é que, que é que, o que que, que que, o quê in-situ, sem que no entanto tivesse sido feita uma análise que levasse em conta fatores de ordem pragmática . Por isso, foi feita  um estudo de base funcionalista a partir de um corpus de língua falada, composto de filmes brasileiros modernos, com o objetivo de depreender as regras de uso das várias formas do referido pronome, as quais pudessem explicitar a variação aparentemente aleatória do referido pronome interrogativo no uso oral distenso no português brasileiro atual. A fundamentação teórica para esse intuito foi fornecida por Dik (1997), Halliday (2004), bem como Neves (1998; 2001).

A motivação para essa pesquisa surgira da constatação durante minha prática como professor de PLE na Alemanha que os materiais concebidos para o ensino de português como língua não materna via de regra não alertavam os aprendizes estrangeiros para o fato de a frase interrogativa no português falado hoje em dia no Brasil apresentar várias estruturas, aparentemente em variação livre, mas que na verdade parecem corresponder a diferentes objetivos pragmáticos.